O Mulo

Um dos meus livros preferidos é Fundação, de Isaac Azimov.

Basicamente é a história de uma civilização que ia ficar numa Era das Trevas por uns 10 mil anos, mas um psico-historiador antecipa cada etapa e consegue fazer um plano que encurta esse período de Idade Média por vários milhares de anos. Tipo um “guia” de como passar mais rápido pelos problemas com dicas que vêm de temos em tempos na hora necessária.

A idéia é muito legal. Muito. O livro percorre uns mil anos de história. É fascinante.

Porém, e sempre tem um porém, por mais que o psico-historiador tenha antecipado tudo, ele não conseguiu prever o aparecimento do elemento surpresa. O elemento que não dá para adivinhar antes. Não dá para se precaver. E esta variante indesejada e imprevisível no caso do livro foi O Mulo.

O Mulo tem seu nome porque ele é um acidente genético. Aconteceu ao acaso. Um híbrido cujas regras normais não se aplicam. Um Mulo.

Bem, para saber a história toda, vocês têm que ler o livro.

No entanto, eu fiz essa introdução porque eu acredito que na vida da gente nós encontraremos nosso Mulo, mais cedo ou mais tarde.

Você não está preparada, não tem defesas, não esperava e não sabe como agir ao se deparar com ele.

E depois que ele vai embora, que a situação acaba, você tem que redefinir toda sua vida e se inserir de novo em você mesma.

O Mulo de cada um pode variar. Para uns são pessoas que aparecem acidentalmente. Para outros pode ser uma situação, uma doença. Ou o Mulo pode ser uma combinação inusitada e matadora de todas as alternativas acima.

Meu Mulo foi uma combinação de muitas coisas.

Sabe quando você está levando sua vida na boa e de repente um monte de coisas acontecem? Pois é.

Quando isso ocorre, aqueles planos que você tinha não valem mais. Igual no livro.

E você tem que analisar a nova situação com outros olhos, porque se mantiver a mesma visão pré-mulo, você não vai achar saída. Você deve se transformar para poder enxergar tudo diferente e daí, achar o plano de ação.

Depois de um bom tempo, consegui determinar novos planos e objetivos e já estou no novo caminho. Ainda bem!

Mas o que sobra da Liliana Pré-Mulo? Basicamente a mesma pessoa que eu tanto senti falta enquanto estava vivendo a situação sui generis.

Eu voltei a ser eu mas com a experiência da época do Mulo. Ou seja, uma versão melhorada de mim mesma.

E isso remete ao final do meu texto.

Não há culpa de se viver situações indesejadas para as quais não estávamos preparados e nem podíamos prever.

Não há culpa de não saber o que fazer , nem de se perder de si mesmo.

E quanto mais rápido você entender e aceitar que acidentes acontecem (Shit Happens), que não foi culpa de ninguém, muito menos sua, mais rápido você poderá aprender com a situação e transformá-la.

Assim, você se livrará do seu Mulo o quanto antes e poderá viver uma nova Época de Ouro da sua civilização pessoal.

E então? Seu Mulo já apareceu?

About Liliana

Médica e Blogueira.

31. July 2011 by Liliana
Categories: Agora que eu sei disso, posso morrer em paz., Aproveita que eu não vou cobrar a consulta | Comments Off